“As pessoas viram o mal que ele fez ao Brasil”, diz deputado sobre Rodrigo Maia

Maia e Otoni

O deputado federal Otoni de Paula (PSC-RJ) teceu críticas ao quase ex-presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao portal Jornal da Cidade Online. Ao falar sobre a eleição da Casa, o parlamentar afirmou que Maia “deixou de ser querido há muito tempo” e disse que acredita na vitória de Arthur Lira (PP-AL).

“Rodrigo Maia deixou de ser querido há muito tempo dentro daquela casa. As pessoas viram o mal que ele fez ao Brasil. As pessoas viram a postura arrogante dele durante todo o ano passado, de pandemia. A casa parou, as pautas importantes pararam. Poderíamos ter avançado, sim, nas reformas, e não avançamos pelo capricho de Rodrigo Maia, pela falta de amor pela pátria de Rodrigo Maia”, disse.

O deputado também comentou a condenação sofrida por ele, em que foi obrigado a indenizar o ministro do STF, Alexandre de Moraes, por comentários que fez em suas redes sociais e disse sentir-se “honrado” por ser processado pelo “homem que talvez seja o mais odiado do Brasil”.

“Eu me sinto honrado porque estou sendo processado pelo homem que talvez seja o mais odiado do Brasil. Eu fico feliz também porque o ministro Alexandre de Moraes é um ser humano, não é um deus. Deuses matam quando se sentem ofendidos; seres humanos processam. O ministro Alexandre de Moraes é um ser humano passível de ser criticado. Eu fiz aquele vídeo em um momento de raiva, de indignação, pela forma como o ministro Alexandre de Moraes estava tratando um cidadão brasileiro, um jornalista, Oswaldo Eustáquio “, disse.

Otoni de Paula também defendeu o presidente Jair Bolsonaro.

“‘Tá fácil entender esse show de horrores. A turma já sabe que não vai dar para destruir Bolsonaro nas urnas. Por mais que manipulem as pesquisas, Bolsonaro ganha em primeiro turno, em 2022, hoje. Não vão colocar medo em Bolsonaro [e] em alguns deputados que não estão lá para fazer negócios, para colocar o caráter em um balcão de negócios. Bolsonaro vai terminar o mandato entregando se não 100%, 90% de obras paradas há 20, 40 anos, que foram superfaturadas com esquemas fraudulentos”, defendeu

Participe do nosso canal no Telegram e receba todas as notícias em primeira mão. CLIQUE AQUI